sexta-feira, 17 de fevereiro de 2017

Menor apreendido diz que participou da morte de Meirylane porque queria dinheiro para festa

Foi aprendido, na tarde desta sexta-feira (17), um adolescente de 17 anos suspeito de participar do latrocínio que resultou na morte da estudante Meirylane Thaís, de 19 anos, assassinada com um tiro na cabeça, na noite dessa quarta-feira (15). Ela foi abordada por uma dupla que tentou assalta-la, mas a jovem reagiu e morreu com um tiro, no bairro de Tambiá, em João Pessoa, perto da instituição de ensino que frequentava. O adolescente disse a polícia que queria dinheiro para ir a uma festa.

Um agente da Delegacia do Menor Infrator em João Pessoa afirmou que o menor estava no bairro do Roger quando foi localizado por policiais militares.

Ainda segundo o agente, o menor não seria o responsável pelo disparo que matou a estudante, mas estava junto do homem apontado como autor do tiro, que segue sendo procurado pela polícia.
Após a prisão, a assessoria da Polícia Militar informou que o menor confessou o crime e disse que ele pilotava a moto usada no latrocínio.
“O adolescente contou que eles estavam atrás de dinheiro para ir a uma festa, aí disse que quando passaram pela jovem, o garupa mandou que ele voltasse para roubar o celular dela e que só escutou o disparo, tendo questionado momento depois da fuga se ele tinha matado a garota”, contou o capitão Isaías Souza, da 3ª Companhia do 1º Batalhão.

O caso

Meirylane Thaís é natural da cidade de Itabaiana e estudava em uma faculdade particular de João Pessoa. Antes do crime, ela havia chegado em um ônibus e estava se dirigindo para uma padaria para lanchar quando foi abordada pelos criminosos.

Durante a abordagem, a universitária teria se negado a entregar pertences aos criminosos e foi baleada por um deles, morrendo ainda no local do crime. A amiga da vítima conseguiu correr e se proteger durante a ação dos bandidos.

Os suspeitos conseguiram roubar a bolsa de Meirylane e fugiram sem ser identificados.
Informações tirado do portal correio.

Marcia garante que fez a coisa certa ao decretar calamidade pública no Conde. "Isso foi pro bem da população".

              A prefeita de Conde Márcia Lucena, reafirmou a necessidade do decreto que estabeleceu a calamidade administrativa e financeira no município, e confirmou o propósito de gestão, caracterizada pela divulgação do ato em defesa da população, que permite contratação de serviços e aquisição de insumos essenciais ao atendimento da comunidade de forma ágil.
              Ela reafirmou a inexistência de recursos financeiros capazes de cobrir despesas urgentes e informou que tomou as providências necessárias para atender às determinações do Tribunal de Contas do Estado proferidas a todos os prefeitos eleitos antes mesmo de suas posses.
             “Não teria sentido elaborar e publicar um decreto movido por força de calamidade se houvesse o propósito de cometer qualquer ilegalidade” – afirmou.
              Márcia Lucena acrescentou que “não seria possível aguardar dois ou três meses para resolver problemas que colocavam a vida e a saúde da população em risco, como o lixo e os serviços de saúde.”.
              Quanto à suspensão dos contratos firmados pela gestão anterior que o decreto determina, a prefeita disse que “é natural que os contratos sejam todos auditados para que se possa tomar decisões sobre eles. Mais natural ainda quando a gestão anterior não estabeleceu processo de transição, que possibilitaria o conhecimento dos contratos em vigor e estes não foram encontrados quando eu tomei posse do cargo de Prefeita. Importante informar que nenhum fornecedor formalizou até esta data pedido de pagamento em razão de serviços ou bens entregues a esta Prefeitura.”.
              De todo modo, a Prefeita reafirma que todas as decisões do Tribunal de Contas serão cumpridas tão logo seu teor seja formalmente notificado à Prefeitura. 

Secretaria de Comunicação e Difusão Digital

Notícia a Imprensa
09/02/2017

Prefeita de Conde antecipa pagamento dos servidores públicos

O pagamento referente ao mês de fevereiro do funcionalismo de Conde foi antecipado e acontecerá na próxima sexta-feira (24). O anúncio da antecipação foi feito na manhã de hoje (17) pela prefeita Márcia Lucena: “Determinei no início da semana à Secretaria da Fazenda que fizesse os cálculos necessários para que os salários fosse pagos antes do carnaval”, informou.
A prefeita Márcia acrescentou que “ontem à noite, a secretária Sônia Vanderlei concluiu que seria possível fazer o pagamento na próxima semana, e decidimos que vai acontecer na sexta-feira porque teremos a semana toda para fazer os ajustes necessários a que o pagamento seja feito de forma tranquila para todos e todas”.
Havia uma expectativa grande junto ao funcionalismo quanto ao pagamento: “É natural que as pessoas neste período do carnaval queiram planejar melhor a participação nos festejos, e a contribuição da nossa gestão, além da programação do carnaval com artistas da região, é também através da antecipação do pagamento da folha de fevereiro”, comentou a prefeita.
Com relação à segunda parcela do salário atrasado do mês de dezembro, pagamento que a gestão anterior não honrou, a prefeita informou que logo após o período do carnaval a Secretaria da Fazenda anunciará a data.  No último dia 3, a maioria das pessoas que estavam com os salários em atraso recebeu a primeira parcela.


Secomd

PRF aponta irregularidades em veículos escolares de 20 Municípios e do Estado

O Ministério Público da Paraíba recebeu, na última segunda-feira (16), um relatório da Polícia Rodoviária Federal com informações rela...