terça-feira, 12 de abril de 2016

Socialista confirma conversas para Nonato retornar à base de RC e aguarda decisão do PPS


renato-martinsO líder da bancada de oposição na Câmara Municipal de João Pessoa (CMJP), Renato Martins (PSB), revelou conversas entre o secretário estadual João Azevedo – pré-candidato a prefeito – e o presidente do PPS na Paraíba, Nonato Bandeira, para que ele retorne ao ninho dos girassóis.

“O PSB nunca deixou de conversar com Nonato. João Azevedo já teve duas reuniões com ele, nos últimos seis meses, e eu também me reuni. Ele é um grande pensador, e é importante que esteja conosco nas eleições, seja como conselheiro, candidato a vice-prefeito ou secretário”, declarou Renato Martins.

O vereador disse que após nota do PPS informando que não apoiaria a reeleição do prefeito Luciano Cartaxo (PSD), aumenta a possibilidade da legenda voltar a base do governador Ricardo Coutinho.

“Estamos muito próximos da recomposição. Seria simbólico esse retorno. Essa aliança seria a mea culpa do povo de Luciano Agra na época. E tenho a impressão que o vereador Bruno Farias vem para a nossa bancada de oposição também. Eles só estão esperando o evento de quinta-feira, em que ouvirão os filiados do partido, para ter uma decisão”, explicou o socialista.

Renato Martins  voltou a criticar o prefeito, mencionando nota de Nonato Bandeira. “A sua carta mostra que a administração de Cartaxo é a do marketing. É um documento sagaz, que demonstra o arrumadinho. Dá oportunidade para que Nonato se recomponha conosco, pois ele é uma pessoa de grandes ideias”.

Candidato do PT diz que carta de Nonato revelou marcas de ‘traições’ de Cartaxo


Charliton-MachadoNa manhã desta segunda-feira, 11, o vice-prefeito de João Pessoa, Nonato Bandeira (PPS) anunciou através de uma Carta o seu rompimento com o prefeito Luciano Cartaxo (PDS). Por meio das Redes Sociais, o professor Charliton Machado, pré-candidato do PT a prefeito de João Pessoa, destacou que no documento, Bandeira colocou o histórico recente de rupturas e quebras de compromissos do prefeito.

No artigo, Charliton Machado lembra que o prefeito Luciano Cartaxo abandonou o ex-prefeito Luciano Agra, que declarou apoio condicional a sua candidatura em 2012, abandonou o PT e seu programa eleito pela população, entre outros partidos e lideranças.

Finalizando o texto, o professor lembrou a frase do político Leonel Brizola: “A política ama a traição, mas abomina o traidor”.

Leia o texto na íntegra:

CARTA DE NONATO DESVELA MARCAS DE TRAIÇÕES DE CARTAXO

(por Charliton Machado)

A carta de Nonato Bandeira, tornada pública na manhã de hoje, além de atestar um  rompimento “comum entre políticos, desvela o histórico recente de rupturas e a quebra de compromissos do prefeito com todos os partidos e lideranças que o apoiaram e contribuíram para consolidar um projeto que aspirava mudanças na forma de fazer política e no conceito de gestão da cidade.

 Em três anos de governo, é sintomático o movimento de afastamento do prefeito com as lideranças e partidos que mudaram os rumos da disputa municipal, em 2012, a exemplo do ex-prefeito Luciano Agra, abandonado em suas idéias, legados e liderança, desde o nascedouro do governo Cartaxo. Se soma a esse histórico a forma desrespeitosa de como abandonou o PT, sua militância, filiados e, sobretudo, o “Programa do Direito à Cidade”, vitorioso no debate e na adesão coletiva.

 Além de mudar de aliados, o prefeito mudou de Programa, assumindo posturas e composições com os caciques derrotados, adotando um modelo centralizador e autoritário. Para resumir, como dizia Brizola, “a política ama a traição, mas abomina o traidor”.

Share this:

Manifestantes fazem protesto contra a Globo em frente à TV Cabo Branco


manifestacao-tvcabobrancoManifestantes contrários ao impeachment da presidente Dilma Rousseff (PT) se reuniram em frente à TV Cabo Branco, afiliada da Rede Globo na Paraíba na tarde desta segunda-feira (11).

Eles acusam a Rede Globo de adotar uma postura tendenciosa contra o governo do PT.

O protesto contou com o reforço de um carro de som.

O movimento ocorre no momento em que a Comissão Processante discute o relatório do deputado Jovair Arantes (PTB-GO) que pede o afastamento da petista da presidência da República.

Hoje, a Comissão deve votar se aceita ou não o impedimento da presidente Dilma.

Manoel Jr. tenta fechar apoio com Cássio hoje e diz que Nonato foi desprezado por Cartaxo


Manoel Júnior PMDBO rompimento político do vice-prefeito de João Pessoa, Nonato Bandeira (PPS), com o prefeito Luciano Cartaxo (PSD), o torna um alvo de cobiça entre os pré-candidatos de oposição à atual gestão nas eleições deste ano. O deputado federal Manoel Júnior, que encabeça a chapa do PMDB, disse que Bandeira “aguentou por muito tempo um tratamento de desprezo” de Cartaxo e o rompimento abre a porta do diálogo com o PPS.

“Eu já tive duas conversas longas com Nonato, uma recentemente, há uns vinte dias, mas não foi conclusiva. Espero que Nonato a partir de agora abra o diálogo com os partidos de oposição. Nós temos uma relação de amizade. Ele é um profissional que eu respeito, que conhece bem os problemas de João Pessoa”, disse.

Para Manoel Júnior, o afastamento do vice-prefeito foi decorrente de uma “desilusão” com o projeto de Cartaxo. “Eu acho que foi resultado de uma desilusão de quem acreditou em um projeto e o viu desmoronar. O vice-prefeito Nonato aguentou muito tempo esse tratamento de desprezo. O vice tem um papel fundamental e aqueles que não o observam e não prestigiam terminam se perdendo”, opinou.

Manoel Júnior afirmou também que intensifica as estratégias para ampliar o arco de alianças para sua pré-candidatura, que até o momento só tem oficializado o apoio do PSC. Neste sentido, ele revelou que se reunirá nesta segunda-feira (11) com o senador Cássio Cunha Lima (PSDB), em Brasília.

“Vamos ver se sai a fumaça branca deste encontro”, brincou na esperança que o tucano confirme ainda hoje apoio a sua postulação.

Share this:

Paraibano, líder do PP, atesta a favor de Dilma e diz que não há crime de responsabilidade


Aguinaldo-Ribeiro--310x245O deputado federal paraibano líder do PP na Câmara Federal, Aguinaldo Ribeiro, usou seu espaço reservado aos líderes na comissão especial que analisa relatório pró-impeachment para defender a presidente Dilma Rousseff (PT). Orientando a bancada do seu partido a votar contra o impeachment, o parlamentar afirmou que atesta sobre a conduta “respeitável e honrada” presidente.

“Posso dar meu testemunho que jamais vi qualquer tipo de conduta da presidente Dilma que não tenha sido respeitável e honrada. A presidente Dilma é séria”, defendeu.

Segundo garantiu, o governo não cometeu crime de responsabilidade como acusa a oposição. Ribeiro disse que o impeachment só poderia ser aceito se fosse usado para “castigar um governo impopular”. Ele pediu ainda que a Constituição Federal seja respeitada.

“Se fosse uma decisão sobre castigar um governo impopular, aí sim poderia-se votar contra o governo, mas não foi isso que determinou a Constituição. A Constituição determinou que impeachment somente deve acontecer quando houver crime de responsabilidade claramente evidenciado, caso contrário não devemos votar como queremos pessoalmente, mas como determina a Constituição, o que nesse caso significa entender que não há crime de responsabilidade no processo atual”, declarou.

O deputado também afirmou que votaria contra a presidente caso ficasse comprovado o crime de responsabilidade.

“Caso venha a surgir evidência que comprovassem o envolvimento da presidente em qualquer tipo de mal feito, seria o primeiro a votar contra ela, mas não é o que acontece neste caso, em princípio”, disse.

Polícias de PE têm mais de 900 vagas em concursos; remunerações chegam a R$ 9 mil


Imagem IlustrativaOs Concursos da Polícia Civil e Científica de Pernambuco, com inscrições abertas, ofertam mais de 900 vagas, com remunerações que variam de R$ 3.276,42 a R$ 9.069,81, sendo exigido nível superior dos candidatos. Para a Polícia Civil, estão sendo oferecidas 650 oportunidades, divididas entre os cargos de agente, delegado e escrivão. Confira o edital. Para a Polícia Científica, estão sendo disponibilizadas 316 vagas, em diversas habilitações. Veja o edital.


As inscrições ocorrem até as 23h59 do dia 26 de abril de 2016, mediante preenchimento da ficha no site da empresa organizadora. As taxas de participação variam de R$ 160 a R$ 200.

Os concursos, dependendo do cargo pretendido, serão aplicado nas etapas de prova objetiva, discursiva, prática de digitação, capacidade física, avaliação psicológica, exame médico, investigação social, avaliação de títulos e curso de formação.

As provas objetivas e a prova discursiva serão realizadas nas cidades de Recife (PE) e Região Metropolitana, Caruaru (PE), Serra Talhada (PE) e Petrolina (PE), nas datas prováveis de 12 e 19 de junho de 2016, de acordo com o cargo pretendido.

Os concursos são válidos por dois anos, contados a partir da data de publicação da homologação do resultado final, podendo ser prorrogado, uma única vez, por igual período.

João Azevedo diz que Nonato deu à oposição respaldo que ‘desqualifica’ gestão de Cartaxo


JoãoAzevedoO secretário de Infraestrutura, Recursos Hídricos e Ciência e Tecnologia, João Azevedo, pré-candidato a prefeito de João Pessoa, comentou nesta segunda-feira (11) a decisão do vice-prefeito Nonato Bandeira (PPS) de romper com a Prefeitura de Capital. Para ele, a oposição ganha respaldo que ‘desqualifica’ a administração do prefeito Luciano Cartaxo (PSD).

“Obviamente que em se considerando que é uma pessoa da estatura do vice-prefeito, essa decisão pelo rompimento coloca e expõe os problemas da gestão. A oposição passa a ter respaldo de alguém que viveu dentro da administração. Esse é um fato extremamente importante”, pontuou.

Segundo Azevendo, a carta de Bandeira deixa claro os problemas que a gestão de Cartaxo enfrenta e expõe falhas graves.

“Eu acho que o vice-prefeito fez uma leitura da atual gestão. A carta deixa muito claro em que pé se encontra essa gestão. A falta dos compromissos com os acordos assumidos. Aquilo que ficou definido com o PPS e não foi feito. As obras que não foram executadas a contento. Aquilo essa administração não fez”, analisou.

Ele afirmou também que já vem dialogando com Bandeira, mas que em nenhuma das conversas o vice-prefeito fechou apoio para sua pré-candidatura pelo PSB. Azevedo disse ainda que buscará fazer aliança com o PPS, mas antes irá respeita a deliberação da legenda que acontecerá na próxima quinta-feira (14).

“Já tivemos umas conversas, mas nada definitivo. O PPS só toma sua decisão sobre as eleições de João Pessoa na quinta-feira e vamos respeitar a deliberação partidária para a partir daí buscar o apoio. Isso é uma questão do partido decidir”, explicou