sábado, 23 de março de 2013

A hora do planeta é logo mais a noite

Atenta às mobilizações em todo o mundo pela preservação do planeta, a Prefeitura de João Pessoa (PMJP), por meio da Secretaria de Meio Ambiente (Semam), foi a primeira capital do Nordeste a aderir formalmente à Hora do Planeta. O movimento global acontece neste sábado (23), das 20h30 às 21h30, nos principais prédios das repartições públicas, que apagarão suas luzes.
Pelo quinto ano consecutivo, o WWF-Brasil promove a Hora do Planeta, um ato simbólico, promovido no mundo todo pela Rede WWF, no qual governos, empresas e a população demonstram a sua preocupação com o aquecimento global, apagando as suas luzes durante 60 minutos. Neste sábado,  92 cidades, sendo 22 capitais, estarão mobilizadas com diversas atividades pela Hora do Planeta.
A Hora do Planeta é um movimento global, promovido pelo quinto ano consecutivo pela Rede WWF Brasil (World Wildlife Fund), com o objetivo de sensibilizar os cidadãos sobre os problemas ambientais enfrentados mundialmente.  Em 2012, monumentos como o Cristo Redentor, no Rio de Janeiro, a Ponte Estaiada, em São Paulo e a Ponte Hercílio Luz, em Florianópolis, tiveram as luzes desligadas durante uma hora. Mais de 150 países e territórios também se envolveram na manifestação. Clima
As mudanças no clima são consideradas pelos cientistas uma das maiores ameaças ambientais do século XXI, afetando cidadãos comuns, empresas, governos e toda a natureza. Ondas de calor e períodos de grandes secas têm provocado perdas agrícolas e são uma ameaça para a economia mundial. A Hora do Planeta propõe uma hora de reflexão para os cidadãos, para que repensemos nossas ações sobre o meio ambiente.
Na cidade-âncora Brasília serão apagadas as luzes da Esplanada dos Ministérios, do Congresso Nacional, da Catedral e de outros monumentos históricos. O público contará com a participação da banda regional Patubatê e do grupo DJs Criolina, no Museu Nacional da República, local do evento.

Na Paraíba policia prende traficante com fotos de uma criança de um ano usando droga

Policiais militares do 5º Batalhão da Polícia Militar de João Pessoa se chocaram com a prisão de um traficante de drogas na madrugada deste sábado (23). Na tela de descanso do celular do acusado, tinha uma foto de uma criança, de aproximadamente um ano de idade, com um cigarro de maconha na boca. Logo em seguida, uma sequência de fotos mostrando o garoto sob o efeito da droga.
De acordo com a tenente Viviane Vieira, os policiais realizavam uma abordagem de rotina no bairro de Mangabeira IV quando encontraram dois jovens com atitude suspeita numa moto Traxx, de cor vermelha. Na ação, foram encontrados 10 papelotes de cocaína, além de uma grande quantidade de maconha e munições de revólver calibre 38.
Ambos foram detidos e levados para a 9ª Delegacia Distrital. Durante toda a ação, o celular de um dos acusados - identificado como Caio Robson da Silva de Brito, 20 anos - tocava insistentemente, de um número restrito. "O celular dele não parava de tocar. Acredito que era a pessoa que estava esperando a droga, mas ela não foi identificada", disse a tenente Viviane.
Quando a PM pegou o celular para ver as ligações, verificou a foto de uma criança com um cigarro de maconha na boca no descanso de tela do aparelho. Ao ver a galeria de imagens do aparelho, notou que havia uma sequência de fotos do garoto como se estivesse sob o efeito do entorpecente. Ainda havia a foto de uma mulher - identificada como Juliane - que seria a mãe do menino e autora do crime.
Na delegacia, Caio Robson disse que havia 'ficado' com Juliane apenas uma noite e negou que estivesse presente na hora em que a foto foi tirada. Porém, o boné e o cordão em que o menino aparece usando nas imagens, foram apreendidos com ele. O outro detido - identificado como Marcos Vinicius de Almeida, 20 anos - foi liberado após prestar depoimento.
Outro caso
No ano de 2010, ao prender membros de uma quadrilha de traficantes que agia na cidade de Cabedelo (distante 20 km de João Pessoa), a Polícia Civil encontrou um vídeo que mostra uma criança de cerca de três anos fumando maconha incentivada por um grupo de adultos. De acordo com o delegado responsável pelo caso na época, Francisco de Assis da Silva, foram apreendidos três menores – um deles, de 17 anos, considerado o líder da quadrilha – e dois adultos: um rapaz de 19 anos e uma mulher de 37.
O vídeo foi encontrado em um celular que estava na casa onde um dos menores foi apreendido. O delegado acredita que a gravação foi passada por criminosos de um celular para o outro por meio de bluetooth (tecnologia para transmissão de dados, sem o uso de fios e a pequenas distâncias). Ainda de acordo com Silva, o homem que aparece oferecendo a droga para a criança no vídeo é um bandido que foi assassinado havia cerca de um mês por outros criminosos.

 O caso ganhou repercussão nacional e a promotora da Infância e Juventude, Soraya Escorel, disse que as pessoas submeteram a criança a uma situação de constrangimento e risco, o que caracteriza violação dos direitos da infância e juventude.

Prefeita de Conde discute medidas para ampliar a segurança no município

  A prefeita de Conde Márcia Lucena reuniu-se na manhã desta terça-feira (5) com autoridades policiais do Estado para discutir a amp...