quarta-feira, 20 de março de 2013

Semana Santa 2013 no Conde programação


ARQUIDIOCESE DA PARAÍBA
PARÓQUIA NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO
CONDE-PB - ANO  2013
 
 

   Dia 24/03 – DOMINGO DE RAMOS E DA PAIXÃO DO SENHOR
7h – Missa na Matriz
Liturgia e cantos: Grupo santa Terezinha
10h – Missa na capela Nossa Senhora das Dores
16h – Procissão dos Ramos – saída da igreja matriz para igreja santa Ana - Liturgia e cantos: ECC
16h – Procissão e Celebração: Mituaçu, Pousada e Mata da Chica

Dia 25/03 – SEGUNDA-FEIRA SANTA
6h – Oração da Manhã na matriz e nas capelas
17h – Missa na matriz
19h – Caminhada Penitencial da igreja santa Ana para matriz com os homens adolescentes, jovens e adultos.
                                                                      
Dia 26/03 – TERÇA-FEIRA SANTA
6h – Oração da Manhã – na matriz e nas capelas
9h – 12h - Confissão
14h – 16h30 - Confissão
17h – Missa na matriz
19h – Caminhada Penitencial da igreja santa Ana para matriz com as mulheres adolescentes, jovens e adultas.

Dia 27/03 – QUARTA-FEIRA SANTA
6h – Oração da Manhã na matriz e nas capelas
8h - 11h – Confissão na matriz
14h – 17h - Confissão na matriz
17h – Missa na matriz
19h30 - Procissão do Encontro das imagens do Bom Jesus dos Passos e Nossa Senhora das Dores
Procissão com a Imagem do Bom Jesus – saída da igreja santa Ana - coordenação: Comunidade santa Ana.
Procissão com a Imagen de Nossa Senhora das Dores – coordenação: Comunidade são Francisco.
Encontro das Imagens na Praça Professora Ilza Ribeiro – Sermão – Procissão segue para igreja matriz



TRÍDUO PASCAL

Dia 28/03 – QUINTA-FEIRA SANTA
6h – Oração da manhã na matriz e nas capelas
8h – Missa do Crisma – Basílica Catedral
17h – Missa – capela N.S. das Dores
19h – Celebração - Ceia do Senhor
Igreja santa Ana – grupo ECC – Procissão com o Santíssimo Sacramento para igreja santa Ana (Ministros da comunhão e Guardiões).
Igreja N.S. de  Fátima – Pousada
Capela da Mata da Chica
Capela de Mituaçu

Dia 29/03 – SEXTA-FEIRA SANTA – Dia de Jejum e Abstinência
4h – Via Sacra da capela são Benedito para capela santa Luzia (Mata de Garapu)
5h – Via – Sacra pelas ruas do centro do Conde – Grupo Magnificat
11h – Ofício da Agonia – Matriz – Grupo santa Terezinha
16h – Liturgia da Paixão
Igreja santa Ana – Coral Vozes da igreja e comunidade santa Ana
Igreja N.S. de Fátima, na Pousada

Dia 30/03 – SÁBADO SANTO
19h – Vigília Pascal – levar velas para igreja
Igreja santa Ana – coral vozes da igreja e comunidades do centro e grupos.
Igreja N. S. de Fátima
Capela da Mata da Chica
Capela de Mituaçu

Dia 31/03 – DOMINGO DA PÁSCOA
Cantar com Jesus Cristo: Ressuscitei!
7h – Missa – Matriz – Grupo santa Terezinha
17h – Missa – santa Ana – Grupo Magnificat
19h30 – Missa - Pousada
Matéria do Padre Eliezer

Preso assassino cruel que esfaqueou mulher grávida é preso

O juiz das Execuções Penais da cidade de Cajazeiras, Djacir Soares, decretou nesta terça-feira (19), a prisão preventiva de Thiago Fernando Barbosa, 23 anos, acusado de esfaquear a jovem Edna Rejane Pereira, que estava grávida.
A tentativa de homicídio foi registrada na Zona Sul de Cajazeiras na última sexta-feira (15). Thiago foi autuado em flagrante delito pela delegada Cristiana Roberto.
Já a jovem, depois de passar por procedimentos cirúrgico, foi encaminhada para a Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital Regional de Cajazeiras, mas a criança não resistiu e morreu.
O magistrado definiu a violência como “crime bárbaro” e disse que uma testemunha viu quando parte do intestino da mulher caiu no chão, após a vítima ser atingida por Thiago.

Quilombolas em Gurugi lutam pelas terras

A especulação imobiliária é o grande problema enfrentado pelos afrodescendentes que moram nas comunidades quilombolas de Paratibe, em João Pessoa, e Gurugi, no município do Conde, litoral sul do Estado. Conforme os estudos antropológicos realizados por equipes do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), parte das áreas que seriam, historicamente, de direito dos afrodescendentes, foram vendidas de maneira irregular e hoje dão espaço a loteamentos e casas de veraneio.

Conforme relatos dos quilombolas de Paratibe, localizado no bairro do Valentina, na capital, as primeiras ocupações no território datam de 1830. Hoje, 150 famílias vivem na área, delimitada pelo Incra em 267 hectares. No entanto, historicamente, a área do quilombo seria quase o dobro desta extensão, como explica a antropóloga do Incra, Ester Pereira Fortes. “Quando começamos o processo de regularização dessa área, em 2008, vimos que é uma área de especulação imobiliária e que antes desse processo, muitos dos quilombolas não tinham os registros individuais das terras e vendiam a empresários e granjeiros através do usucapião.

Então, quem comprava regularizava a terra desta forma”. 

Ainda conforme a antropóloga, nos últimos 5 anos, quando foi iniciado o Relatório Técnico de Identificação e Delimitação (RTID) do território de Paratibe, essa prática irregular diminui e 29 títulos já foram identificados e os proprietários serão notificados e, posteriormente indenizados para desapropriar a terra. “A partir deste relatório, nós fazemos o levantamento desses títulos e a regularidade dessas transações. As análises continuam e acreditamos que outros proprietários ainda serão notificados. Se a gente perceber que a pessoa que adquiriu o terreno agiu de má fé, perde a indenização”, reforça.

Enquanto a fase de notificação não é concluída, a comunidade quilombola de Paratibe convive apreensiva em continuar perdendo o território e com medo de sofrer represálias por lutar pelo direito da terra. “Antigamente tinha mais de 200 famílias morando aqui.
Mas, quando começaram os loteamentos, teve gente que vendeu e deixou a comunidade, por falta de condições e por medo também”, explicou a presidente da associação dos quilombolas de Paratibe, Mônica Ferreira. Ela disse ainda que a comunidade não convive tranquila com a expansão imobiliária nos arredores do quilombo e teme sofrer ameaças por parte dos proprietários de granjas e sítios que estão dentro do território de maneira irregular.
“Mesmo com as negociações do Incra e das ONGs a nosso favor, a gente tem medo de sofrer alguma pressão, porque essa área aqui é grande e há muito interesse”, disse a presidente.
A expansão imobiliária no local também trouxe problemas econômicos para a sobrevivência de quem mora no quilombo. A poluição dos rios que passam pelo local e o desmatamento são as principais consequências apontadas pelos moradores. Josineide Nascimento, de 33 anos, é bisneta de escravos e nasceu na comunidade. Com dificuldade ela tenta manter vivas as tradições de plantio e coleta que aprendeu com os antepassados, mas sente tristeza ao ver que os rios estão poluídos e as árvores quase escassas. “Quando eu era criança, eu pescava com meus pais no rio Cuiá, mas hoje tá tudo poluído por causa dos esgotos.
Agora para pescar, vou à Barra de Gramame, onde também tinha muita árvore com fruta, mas agora mal tem coco”, lamenta.

Na cidade do Conde, o quilombo Gurugi também passa por situação semelhante ao de Paratibe. Conforme informações do Incra, ainda está sendo feito o RTID do território do quilombo.

Porém, já foi constatada a venda de lotes para a construção de casas de praia. “O interesse na área do Conde é mais voltado para o turismo, por ser uma área litorânea. A área próxima ao rio Gurugi também é bastante visada pelos empresários, por conta da qualidade da terra e a da área. Ainda estamos fazendo esse levantamento da comunidade, mas já percebemos esse problema”, afirmou a antropóloga Ester Pereira.

Polícia apreende 18 quilos de drogas enterradas dentro de tonel

    Políciais militares da Força Tática do 7º Batalhão aprenderam, neste domingo (22), aproximadamente 18 kg de uma substância se...