quarta-feira, 26 de setembro de 2012

A direção geral do Google no Brasil é detido pela Polícia Federal

O diretor geral do Google no Brasil, Fábio José Silva Coelho, foi detido na tarde desta quarta-feira (26) por policiais federais em São Paulo, de acordo com nota divulgada pela própria Polícia Federal (PF). A detenção ocorreu após a empresa negar o cumprimento de decisões judiciais que determinam a retirada de vídeos do YouTube que acusam Alcides Bernal (PP), um dos candidatos a prefeito de Campo Grande, no Mato Grosso do Sul, de ser suspeito de praticar crimes.
Segundo a PF, o diretor geral do Google será liberado ainda nesta quarta. "Por se tratar de um crime de menor potencial ofensivo, apesar de trazido para a Polícia Federal, ele não permanecerá preso. Será lavrado um Termo Circunstanciado de Ocorrência, com a oitiva do conduzido e sua liberação após a assinatura do compromisso de comparecer perante a Justiça", informou a nota.
Ao G1, a empresa disse antes da prisão de seu diretor que recorre das decisões e que não é responsável pelo conteúdo publicado por usuários no YouTube. "O Google está recorrendo da decisão que determinou a remoção do vídeo do YouTube porque, em sendo uma plataforma, o Google não é responsável pelo conteúdo postado em seu site." Sobre o mandado de prisão do diretor-geral, pelo Tribunal Regional Eleitoral do Mato Grosso do Sul (TRE-MS), a empresa não se manifestou.
A prisão do diretor foi determinada na quinta-feira (20) pelo juiz Flávio Saad Perón, da 35ª Zona Eleitoral de Campo Grande. Ele também determinou a retirada do site de compartilhamento de vídeos do ar na cidade e, se possível, em Mato Grosso do Sul, por um dia. "Se a cada pessoa fosse dado escolher entre cumprir ou não uma determinação judicial que legalmente lhe foi imposta, a nossa sociedade viraria um caos", afirmou Perón.
 O Google apelou da decisão dizendo que "não se trata de propaganda eleitoral negativa", mas o juiz Amaury da Silva Kuklinski, do TRE-MS, manteve a ordem. O magistrado determinou que o mandado de prisão seja encaminhado à Polícia Federal (PF) para que o diretor seja conduzido até uma delegacia para as providências necessárias.
Histórico
As imagens que circulam pela internet apontam Bernal como incentivador da prática de aborto, além de ter relação com crimes de embriaguez, lesão corporal contra menor, enriquecimento ilícito e preconceito contra os mais pobres.

O The Economist da Inglaterra relata a situação carcerária da Paraíba

O relatório do Conselho Estadual de Direitos Humanos da Paraíba durante visita a uma penitenciária de segurança máxima Romeu Gonçalves de Abrantes, em João Pessoa, conhecida como PB1, foi referência de reportagem da revista inglesa The Economist desta semana.A detenção dos conselheiros foi publicada, em primeira mão, pelo Portal Correio, na noite do dia 28 de agosto passado.
Leia a matéria publicada no Portal Correio aqui.
O cenário, relatado e registrado em imagens pelo Conselho Estadual de Direitos Humanos da Paraíba durante visita à penitenciária, descreve a matéria da revista inglesa, "está longe de ser um caso à parte e mostra como os presídios da América Latina, em vez de se constituírem em centros de recuperação, tornaram-se uma verdadeira jornada para o inferno”.
O site Congresso em Foco traz, nesta quarta-feira (26), a repercussão da matéria na revista inglesa. Na abertura da matéria, a publicação inglesa destaca a detenção de seis conselheiros estaduais de Direitos Humanos no momento em que constatavam as condições precárias oferecidas aos presos.
Em nota, o governo da Paraíba alega que os presidiários encontrados em situação precária – segundo relato da Comissão Estadual de Direitos Humanos – estavam alojados em “caráter emergencial” devido à descoberta de um túnel em um dos pavilhões, três dias antes da visita dos conselheiros. Por esse túnel, afirma a nota, haveria uma fuga em massa.
“Depois da descoberta do túnel, tão logo foi realizada a inspeção técnica de engenharia, iniciaram os trabalhos de reparos do presídio, que já havia sido 75% danificado pelos próprios detentos, durante rebelião ocorrida entre os dias 29 e 30 de maio deste ano”, afirma a nota assinada pela Secretaria de Comunicação Institucional.
Para The Economist, esse tipo de tratamento, que se repete em toda a América Latina, ajuda a entender o surto de massacres em prisões e incêndios provados deliberadamente em países como Venezuela, México, Honduras, Chile e Brasil. “Os prisioneiros não só são submetidos a tratamentos brutais frequentes em condições de miséria e superlotação extraordinária, e muitas cadeias são administradas por grupos criminosos”, diz a publicação.
 A reportagem destaca que o Brasil tem a quarta maior população carcerária do mundo, em números absolutos, atrás apenas de Estados Unidos, China e Rússia. Mas fica em segundo lugar, entre os países analisados, quando o número de presos é comparado com o de habitantes. 

Esta proibido pela justiça no Brasil a exibição do A Inocência dos Muçulmanos

A Justiça de São Paulo decidiu suspender do YouTube o trailer do filme “A Inocência dos Muçulmanos”, que vem provocando violentos protestos em países árabes por ser considerado ofensivo ao Islã.
A decisão, assinada pelo juiz Gilson Delgado de Miranda, da 25ª Vara Cível, nesta terça-feira (25), dá um prazo de dez dias para que o Google, à qual pertence o YouTube, retire do ar todos os vídeos que contêm cenas do filme, sob pena de multa de R$ 10 mil por dia de descumprimento.


Cena de 'A inocência dos muçulmanos' (Foto: Reprodução/Youtube)

O juiz acolheu o pedido da União Nacional das Entidades Islâmicas, que representa outras 16 entidades ligadas à religião no país. As entidades entendem que o filme viola a Constituição por “ofender o direito à liberdade de religião”.
“O caso realmente envolve uma questão complexa e de difícil solução. Em verdade, traz um conflito claro em relação à liberdade de expressão (art. 5, IV, da CF) e à necessidade de proteção de indivíduos ou grupos humanos contra manifestações que possam induzir ou incitar a discriminação de preconceito de religião”, escreveu o juiz.
A decisão cita os protestos contra o filme pelo mundo, que provocaram a morte de um embaixador e dois funcionários da embaixada dos EUA em Benghazi, na Líbia, e um protesto pacífico realizado em São Paulo pela Associação Beneficente Islâmica do Brasil no último dia 21.
O juiz também menciona o fato de o filme ser alvo de processo na justiça norte-americana, movido nesta semana pela atriz Cindy Lee Garcia, que pediu a retirada do vídeo do Youtube, dizendo ter sido enganada pelo produtor Nakoula Basseley Nakoula sobre o verdadeiro conteúdo do longa.

Paula fernandes perde direitos na justiça

Paula Fernandes no clipe de 'Eu sem você' (Foto: Reprodução)

Paula Fernandes perde liminar contra a empresa do cantor Leonardo

Ela tinha adquirido o direito de compartilhar a gerência de sua carreira.
Justiça derrubou a liminar e cantora segue empresariada pelo sertanejo.

A Justiça derrubou, nesta segunda-feira (24), a liminar que concedia a Paula Fernandes o direito de agendar os próprios shows e tomar conhecimento das transações comerciais de sua carreira. A informação foi divulgada nesta terça-feira (25), por meio de nota, pela Talismã, - empresa do sertanejo Leonardo -, responsável por gerenciar a artista desde 2008.
A briga é resultado de uma ação movida pela cantora contra a empresa. Paula não quer renovar o contrato que, segundo sua assessoria, vence no dia 11 de novembro deste ano. A Talismã, porém, alega que a cantora integra o seu quadro de artistas até 24 de fevereiro de 2014.
De acordo com a assessoria de Paula, o pedido judicial conquistado no dia 31 de agosto (e agora indeferido) se referia a uma gestão compartilhada durante este período restante do contrato, preservando todos os diretos econômicos da Talismã. Ainda segundo a assessoria da cantora, a nova medida, na prática, não altera a rotina da cantora. Ela pretende assumir integralmente a gestão da própria carreira apenas em novembro.

Derrame faz brtânica esquecer filhos e marido


Sarah Thomson teve 13 anos de sua vida apagados após coágulo no cérebro (Foto: Caters)Britânica tem derrame, esquece filhos e marido e acha que é adolescente

A britânica Sarah Thomson, de 32 anos, sofreu um derrame em consequência de um coágulo de sangue em seu cérebro que apagou 13 anos de suas memórias.
O coágulo, que teria origem, segundo os médicos, em uma má-formação de vasos sanguíneos, interrompeu o fluxo de sangue para um parte do seu cérebro, fazendo com que o local ficasse temporariamente sem oxigênio e sem nutrientes.
Quando ela recobrou sua consciência, após ter sido levada a um hospital, não reconheceu seu marido ou seus três filhos e estranhou o fato de seu irmão estar calvo.
Ela pensou que o marido, Chris, fosse um funcionário do hospital. ''Não me lembrava de tê-lo conhecido, de ter me casado com ele ou o que quer que seja''. E afirma que teve de ''se apaixonar novamente'' pelo marido.

Estrupador é preso acusado de matar a mãe



A Polícia Civil da Paraíba prendeu na cidade de Bayeux, região metropolitana de João Pessoa, Severino dos Ramos da Silva, 27 anos, conhecido como ”Raminho”, acusado de matar a própria mãe, Maria da Guia do Nascimento Soares, 55 anos, na cidade de Mulungu, no Agreste paraibano, localizada a 82 quilômetros da Capital.
Segundo informações repassadas pelo próprio acusado, tudo aconteceu no mês de agosto deste ano, durante uma briga com seu pai, Reginaldo Pereira Soares, 54 anos, ambos residentes em Mulungu.
Ainda de acordo com o acusado, um dia antes da tragédia (11), o pai dele estaria de posse de uma faca peixeira ameaçando de morte a esposa. Para defender sua mãe, Severino expulsou o pai de casa. No dia seguinte, Reginaldo Soares teria rasgado o banco de sua moto.
Revoltado, Severino dos Ramos foi tirar satisfação com o pai, que sacou uma espingarda e entrou em luta corporal com o filho. A mãe foi tentar acalmar os ânimos e acabou sendo atingida com um tiro no peito. Maria da Guia ainda foi socorrida para o Hospital de Trauma de João Pessoa, mas não resistiu aos ferimentos.
Além disso, Raminho é ex-presidiário e cumpriu pena de 6 anos acusado de estuprar uma adolescente de 14 anos.