quarta-feira, 9 de maio de 2012

Homem fica sem poder andar mulher o obrigada a fazer sexo 36 vezes

ninfomaníaca

Uma mulher foi presa em Munique, Alemanha, por obrigar um homem a fazer sexo com ela durante 36 horas.
O homem, de 31 anos, foi encontrado pela polícia chorando do lado de fora do apartamento da mulher e, exausto após 36 horas de sexo, teria dito: “Oh, Deus, foi um inferno. Eu não posso andar. Por favor, me ajude”. A ninfomaníaca conheceu o sujeito no ônibus, quando voltava de uma clínica para viciados em sexo.
O rapaz foi convidado a conhecer o apartamento da mulher, ficou preso, foi feito de escravo sexual e só conseguiu escapar após uma maratona de sexo.
Essa não foi a primeira vítima da moça. No mês passado, um outro episódio envolveu a criminosa sexual, que chegou até a convidar os rapazes da polícia para uma surubinha.
A moça foi levada a um hospital para observação psiquiátrica.

Mãe supera a doença da filha portadora de esclerose tuberosa

Flávia da Silva e a mãe Márcia da Silva (Foto: Alex Araújo/G1) Uma lição de superação e de amor. Desta forma pode ser definida a vida da professora divorciada Márcia da Silva, de 52 anos, que abriu mão da vida pessoal e profissional para cuidar da filha Flávia da Silva e Assis Gomes, de 26, portadora de esclerose tuberosa – doença genética que afeta diversos órgãos do corpo e leva ao desenvolvimento de tumores benignos.
Márcia tinha uma escola na Região Centro-Sul de Belo Horizonte e precisou abrir mão do seu trabalho para cuidar da menina. Flávia nasceu sem problemas de saúde, tinha o desenvolvimento normal, mas, aos 2 anos, começou a perder o vocabulário e ter espasmos – uma espécie de sustos recorrentes. “Ela também teve crises de ausência, ficava aérea”, explicou.
A mãe procurou médicos de várias especialidades e a esclerose tuberosa foi diagnosticada. “O pediatra deu uma sentença de morte para a minha filha. O médico disse que ela não sobreviveria, mas eu acreditei que ela poderia, sim, viver”, contou.
Deus dá muito quando a gente doa. Sou uma pessoa feliz, realizada. Antes, eu me sentia sozinha. Hoje, eu tenho uma família"
Márcia da Silva, da Abet
Contudo, aos 10 anos, Flávia teve uma piora na saúde e, em um mesmo dia, chegou a ter 20 convulsões. Internada por dois meses, Flávia ficou em coma durante 40 dias. Márcia fez a promessa de que, se a filha sobrevivesse, abriria uma instituição para apoiar portadores de esclerose tuberosa.
“Pensei 'Deus, não é o momento. Dê-me uma oportunidade. Eu prometo ajudar a outras pessoas'. Perguntei à Flávia se ela queria ficar [não morrer] porque os médicos não sabiam exatamente como tratar a doença. Entreguei a milha filha nas mãos de Deus”, completou.
Ela falou que, cinco dias depois de fazer a promessa, Flávia esboçava reações como apertar a mão da mãe e abrir os olhos. Aos poucos, foi se recuperando. “Quando ela saiu do hospital, não andava, não falava, mas eu olhei para o céu e agradeci a Deus”.
Crianças e mães que frequentam a Abet, em Belo Horizonte. (Foto: Márcia da Silva)
Crianças e mães que frequentam a Abet, em Belo
Horizonte
Privilegiada por poder ajudarPara cumprir o trato, Márcia fundou a Associação Brasileira de Esclerose Tuberosa (Abet), no dia 1º de agosto de 2000. Atualmente, a instituição auxilia 23 portadores com tratamentos multidisciplinares como atendimento médico, psicológico, terapia ocupacional, fisioterapia e nutrição.
Márcia falou que, antes de abrir a organização não-governamental (ONG), sonhou com uma casa igual a que alugou para sediar a instituição. Por meio da Abet, as mães conseguiram um salário mínimo e vale-transporte para levarem os filhos para tratamento na ONG. Elas ainda têm aulas de design e desenvolvem trabalhos manuais, que vendem para aumentar a renda. “Deus dá muito quando a gente doa. Sou uma pessoa feliz, realizada. Antes, eu me sentia sozinha. Hoje, eu tenho uma família”, declarou, referindo-se aos integrantes da Abet.
Mas Márcia contou que nem sempre foi assim. No começo, quando descobriu a doença de Flávia, ficou chateada. “Mas hoje eu sei que eu tenho uma missão a cumprir. Eu falo para a Flávia que, se existirem outras vidas, na próxima, ela vai ter que cuidar de mim”, falou, em tom descontraído.
Para manter a instituição, Márcia precisa de R$ 36 mil mensais para pagar funcionários, água, luz, telefone, aluguel e alimentação. Apesar das constantes dificuldades, ela não desiste. “Acabei de perder uma doação de R$ 3,8 mil por mês que, no decorrer do ano, pesa”. Quem quiser contribuir, pode entrar no site da Abet.
“Eu vivo isso daqui. É a minha vida. Mesmo passando dificuldades, eu penso que amanhã vai melhorar”. E um dos estímulos é a própria Flávia que, sozinha, já anda, bebe, come e vai ao banheiro. “Sou privilegiada em saber que eu posso ajudar. Só quero saúde para continuar”.

Bandido invadi residencia e obriga mulher a fazer sexo oral na frente de criança

Uma mulher passou por maus momentos ao ter a residência invadida por um bandido. O fato aconteceu por volta das 18h40 de terça-feira (8) no conjunto Ernesto Geisel, em João Pessoa.
Segundo informações da polícia, estava faltando energia na rua e o homem aproveitou a escuridão para invadir o imóvel, que fica nas proximidades do Campo do Santos.
Dentro de casa e armado com um revólver o desconhecido obrigou a mulher a praticar sexo oral com ele e na frente dos filhos.
Depois de praticar o ato, o homem deixou a residência, subiu numa moto e foi embora. Depois que o desconhecido saiu, a mulher avisou polícia que realizou investigações e buscas, mas o acusado não foi preso.

BIngo beneficente na praça de Conde sábado

Neste sábado dia 12 vai ter bingo beneficente na praça. 
Em prol da construção da sede da ASCOCJARE associação comunitária cultural do bairro Jardim Recreio
preço da cartelinha apenas 2 reais e concorra a 3 prêmios: Uma lavadoura tanquinho, um Ferro de passar e uma pracha de cabelo

Atenção vereador migrante o tribunal tá de olho em você

A Procuradoria Regional Eleitoral da Paraíba (PRE/PB) estará analisando o processo de infidelidade partidária ajuizado contra o vereador Rênio Macedo, que saiu do PSB para o PMDB. Após o parecer da PRE/PB, o caso segue para o relator e será julgado pelo Pleno do Tribunal Regional Eleitoral da Paraíba (TRE/PB). O processo pode resultar na perda do mandato político.

De olho nas eleições 2012, o político migrou para outro partido, antes de 7 de outubro de 2011, para conseguir completar um ano de filiação partidária e poder concorrer ao pleito municipal deste ano. No entanto, conforme o Tribunal Superior Eleitoral, os cargos eletivos pertencem ao partido e não ao candidato. A requisição de perda de mandato foi feito tanto por parte do suplente quanto pelo partido de origem o PSB.

A infidelidade partidária é a troca de partido de uma pessoa eleita, sem que se enquadre nas exceções permissivas elencadas na legislação. As exceções são observadas quando ocorre a incorporação, fusão ou criação de novo partido, a mudança substancial ou desvio reiterado do programa partidário e a grave discriminação pessoal.

O processo do Vereador Rênio Macedo, é de migração para o Partido Movimento Democrático Brasileiro - PMDB. Nele, a PRE/PB vai analisar se o político saiu do partido (PSB) após a criação de um partido novo, que não é o caso, pois o PMDB já existia.