segunda-feira, 16 de janeiro de 2012

A BUSCA DESESPERADA POR SOBREVIVENTE NO NAVIO ITALIANO ÚLTIMAS INFORMAÇÕES CONFIRA



GIGLIO, Itália, 16 Jan (Reuters) - O navio italiano Costa Concordia balançou nesta segunda-feira sobre as rochas onde encalhou e o mau tempo atrapalha a busca cada vez mais desesperada por 16 desaparecidos.

Os proprietários da embarcação atribuíram a culpa ao capitão do navio, que teria se aproximado demais da ilha de Giglio, na costa oeste italiana, para "saudar" a população local, na noite de sexta-feira.
A embarcação de 114,5 mil toneladas, que, segundo algumas estimativas, foi o maior navio de passageiro que já naufragou, deslizou um pouco sobre as pedras, ameaçando jogar toda a sua gigantesca carcaça e 2.300 toneladas de combustível para o fundo do mar, numa região que é uma reserva ecológica.
O escorregão fez com que as buscas por sobreviventes fossem interrompidas durante algumas horas. O navio está virado de lado, com um grande rombo aparente acima da linha da água.
Várias horas de caos se seguiram ao acidente, mas a maioria dos 4.200 passageiros e tripulantes conseguiu se salvar, inclusive 57 brasileiros. Até agora foram encontrados seis corpos.
O porta-voz do corpo de bombeiros local, Luca Cari, disse que ainda há pequenos movimentos no navio, que não são considerados perigosos, mas levarão à interrupção das buscas noturnas.
Outro bombeiro, Luciano Roncalli, disse à Reuters que todas as áreas não-submersas do transatlântico foram vasculhadas, o que indica que há poucas chances de encontrar mais sobreviventes no labirinto inundado e revirado de suítes, salões, quadras de tênis e spas.
O ministro do Meio Ambiente, Corrado Clini, disse que pode decretar situação de emergência devido ao risco de vazamento de combustível no Parque Nacional do Arquipélago Toscano. Nenhum vazamento grave foi detectado até agora.
Caso o mar agitado desloque o casco e o faça se romper ou afundar, ficaria virtualmente impossível fazer com que o Costa Concordia volte a navegar, como espera a empresa proprietária, uma unidade da Carnival Corporation, da Flórida. O navio havia sido construído há apenas seis anos, a um custo de centenas de milhões de dólares.
O capitão do navio, Francesco Schettino, que foi detido após o incidente, nega que tenha havido imprudência na sua aproximação da ilha de Giglio, ou que ele tenha abandonado a embarcação, como acusa a promotoria italiana.

SAUDAÇÕES À ILHA

Morador da ilha de Giglio, o pai do chefe dos garçons disse que seu filho lhe havia telefonado na sexta-feira para avisar que o Costa Concordia passaria rente à orla da ilha e buzinaria como forma de saudação. "O navio obviamente chegou perto demais", disse Giuseppe Tievoli, de 82 anos.
A empresa Costa Cruzeiros informou que prestará toda a assistência necessária a Schettino. "Mas precisamos admitir os fatos, e não podemos negar uma falha humana", afirmou o executivo-chefe Pier Luigi Foschi. "Esses navios são super-seguros. É um fato excepcional, que foi imprevisível", disse ele, quase aos prantos.
Foschi disse que os navios da companhia são proibidos de chegar a menos de 500 metros da costa de Giglio. Investigadores dizem que a embarcação bateu em rochas a apenas 150 metros da ilha. Schettino disse que estava na distância regulamentar, e que a rocha não constava nas cartas náuticas. Em nota, o advogado dele, Bruno Leporatti, disse que o capitão está "arrasado, perturbado e entristecido com a perda de vidas", mas considera que conseguiu salvar muitas vidas ao realizar uma difícil manobra de emergência com as âncoras depois do acidente, o que deixou o barco mais perto da costa.

Foschi negou as acusações de que os passageiros não teriam sido treinados para abandonar o navio, onde ocorreram cenas de pânico e caos depois da colisão. Havia a bordo cerca de 1.020 tripulantes de 38 países, mas a maioria trabalha com alimentação e entretenimento, sem experiência específica com assuntos navais.
O executivo chamou os tripulantes de "heróis" e disse que eles reagiram corretamente. "Tivemos de retirar mais de 4.200 pessoas em circunstâncias difíceis, então toda a operação levou mais de duas horas. A razão para isso é que a inclinação do navio não nos permitiu usar ambos os lados para retirar as pessoas."
O mar calmo desde sexta-feira vinha ajudando os trabalhos de resgate, mas nesta segunda-feira o vento virou, o mar começou a ficar mais agitado e há garoa. Os meteorologistas preveem que a situação ainda deve piorar.
Um especialista em resgates que está em Giglio disse à Reuters, pedindo anonimato, que o navio está claramente se mexendo, depois de inicialmente ficar imobilizado nas pontas das rochas. O mar bravio pode deixar os destroços à deriva, o que seria "um grande problema", segundo ele.
O barco está apoiado numa lâmina de cerca de 20 metros de água, mas pode cair a até 130 metros caso se solte das rochas. O bombeiro Cari disse que a equipe de resgate não consegue ouvir ruídos de possíveis sobreviventes dentro do navio semissubmerso.
"Obviamente, quanto mais o tempo passa, menos possibilidade há de encontrar alguém com vida", afirmou.
TITANIC, CEM ANOS DEPOIS
A Organização Marítima Internacional (OMM, um órgão da Organização das Nações Unidas) disse que é importante esperar as investigações sobre o acidente, mas que irá rever seus regulamentos se considerar que isso é necessário.
Evocando o naufrágio do Titanic, em abril de 1912, o secretário-geral da OMM, Koji Sekimizu, disse que "no centenário do Titanic, mais uma vez fomos lembrados dos ricos envolvidos nas atividades marítimas".
Especialistas do setor naval dizem que o desastre pode afetar duramente o movimento nos navios de cruzeiro numa época crucial do ano, mas que o setor deve se recuperar.

MUÍDO NO BBB12: Confira suposto estupro de participante



A ministra da Secretaria de Políticas para as Mulheres, Iriny Lopes, encaminhou nesta segunda-feira (16) um ofício ao Ministério Público Estadual do Rio de Janeiro pedindo “providências” contra suposto estupro no Big Brother Brasil 12.

Policiais civis da 32ª DP (Taquara), na zona oeste do Rio de Janeiro, foram na tarde desta segunda-feira (16) ao Projac, centro de teledramaturgia da Rede Globo, para fazer exame de corpo de delito de Monique, participante do Big Brother Brasil 12, que teria sido molestada por outro integrante do programa, segundo informou o delegado Antônio Ricardo, titular da delegacia. Porém, de acordo com ele, ela não é obrigada a fazer o exame. Daniel Castro: Globo negocia com polícia depoimentos

Secretaria para Mulheres recebe pedidos de providências sobre suposto estupro no BBB

- O exame [corpo de delito] é a prova da materialidade. Se ela se recusar a fazer, o problema é dela. Vamos tomar as iniciativas que nos cabem. O pessoal está lá [no Projac] e nós estamos vendo a possibilidade de entrar para fazer o exame. Estamos aguardando o posicionamento da TV Globo e, se eles não liberarem a nossa entrada, vamos buscar no Judiciário o mandado de busca e apreensão. Isso não vai ficar em branco.

Antônio Ricardo confirmou ao R7 ter aberto um inquérito para investigar se houve estupro, que teria ocorrido após bebedeira dos brothers na madrugada do último domingo (15). O participante Daniel teria molestado a sister Monique enquanto ela estava inconsciente. O delegado disse que a polícia já tem um vídeo de aproximadamente sete minutos e irá analisar as imagens para apurar o que aconteceu.

A reportagem do R7 procurou a assessoria de imprensa da TV Globo que deve se manifestar sobre o caso.

'Será que eu fiz?'

A gaúcha Monique ficou embriagada durante uma festa no sábado (14). Debaixo de um edredom, Daniel agarrou a estudante. A polêmica começou depois que telespectadores disseram no Twitter que ela poderia ter sido vítima de estupro.
Monique diz que estava bêbada durante suposto sexo...Chamada ao confessionário, a estudante disse que não teve relações sexuais com o modelo. O diretor-geral do reality show, J.B. Oliveira, o Boninho, convocou a sister para uma conversa, já que os telespectadores pedem a expulsão do participante.
Em seu blog, Boninho disse: "Ela não confirmou que teve sexo e disse que tudo o que aconteceu foi consensual. Não dá para garantir que houve sexo, muito menos estupro. Eles estavam debaixo do edredon e de lado. Mas o mais importante é que ela [Monique] estava consciente de tudo. Ela me disse que na hora que o clima esquentou pediu para ele [Daniel] sair da cama".

Após passar pelo confessionário, Monique demonstrou estar confusa: "Será que eu fiz [sexo]?".

Estupro: nova lei

No ano de 2009 o governo Lula sancionou a lei 12.015, que altera as leis 2.848 (Código Penal) e 8.072 (que trata dos crimes hediondos). Ela tornou mais severas as penas para os crimes de pedofilia, estupro seguido de morte e assédio sexual contra menores.

O autor do estupro pode pegar entre seis e dez anos de pena com prisão. A nova lei amplia a aplicação da pena para os casos que, na lei anterior, eram tratados apenas como atos libidinosos. O artigo 215 da lei diz que é estupro "ter conjunção carnal ou praticar outro ato libidinoso com alguém, mediante fraude ou outro meio que impeça ou dificulte a livre manifestação de vontade da vítima".

Questionado pelo R7 sobre possível eficácia de um exame de corpo de delito, uma vez que, após a mudança do Código Penal, o crime de estupro não se configura somente em caso de conjunção carnal, o delegado disse que pretende ouvir os participantes envolvidos e coletar evidências exibidas no programa para embasar a abertura do inquérito.

COMERCIANTE MORRE APÓS COMER EM RESTAURANTE



Um comerciante morreu neste domingo (15) em decorrência de uma intoxicação alimentar após comer maionese em um restaurante de Batatais, no interior de São Paulo. Outras 50 pessoas passaram mal e procuraram o pronto-socorro da cidade com sintomas de intoxicação.
Antônio Sérgio Ferreira Lima, de 55 anos, consumiu o alimento na quinta-feira (12). No dia seguinte, foi internado com náuseas, vômito e diarreia. A vítima teve seu estado de saúde agravado e chegou a ser transferida para a UTI da Santa Casa da cidade no sábado (14).
Lima era dono de uma pizzaria em Batatais e tinha parentes em Ribeirão Preto, onde será enterrado na manhã segunda-feira (16). Um boletim de ocorrência foi registrado pelo filho da vítima. A Polícia Civil aguarda o laudo com as causas da morte para definir os rumos da investigação.
Pelo menos 50 pessoas foram ao pronto-socorro e 21 precisaram ser internadas com sintomas de intoxicação alimentar após consumirem na quinta-feira (12) a comida do restaurante. Segundo a dona do estabelecimento, Renata Passagem Luiz, a Vigilância Sanitária já esteve no local e colheu amostras da comida, que estão sendo analisadas.
A Vigilância Sanitária não foi encontrada para comentar o caso.

PRF aponta irregularidades em veículos escolares de 20 Municípios e do Estado

O Ministério Público da Paraíba recebeu, na última segunda-feira (16), um relatório da Polícia Rodoviária Federal com informações rela...