segunda-feira, 8 de agosto de 2011

Acidente na BR 101 Conde envolvendo duas motocicletas


O acidente que envolveu duas motocicletas na BR 101 na ponte do Rio Mumbaba que divide Conde e Distrito da cidade de João Pessoa, aconteceu neste final de semana. Vitimas Carlos Antonio Pereira da Silva de 35 anos residente em cristo Redentor nesta capital bateu com sua moto Titan 150 vermelha de placa NPZ 5535 João Pessoa, na traseira de outra motocicleta não identificada. Não ouve vitimas fatais apenas alguns machucados e foram atendidos pelo SAMU e PRF.

Escândalo na Conab envolve o genro de um ex-deputado federal paraibano


Nacional do Abastecimento (Conab), que tem parte de seus cargos ocupada por sobrenomes conhecidos da política - como Calheiros e Benevides -, por derrotados nas urnas, amigos do ministro da Agricultura, Wagner Rossi, e outras indicações e nomeações sem critério técnico.

Esses apadrinhados recebem salários que variam de R$ 8 mil a R$ 10 mil. Controlada por um consórcio do PMDB com o PTB, partidos que lotearam os principais cargos da companhia, a Conab está na mira da Controladoria Geral da União (CGU), que, desde a semana passada, enviou 12 técnicos para investigar denúncias de corrupção no órgão.

Em nota, na semana passada, o novo presidente da Conab, Evangevaldo Moreira, afirmou que a atual crise no órgão não tem nada a ver com ele. Os escândalos que atingem hoje a Conab ocorreram na gestão de Alexandre Magno Franco de Aguiar, que presidiu a Conab durante um ano, até abril passado, quando deixou a companhia, a contragosto, e virou assessor especial de Wagner Rossi no ministério.

Aguiar é genro do ex-deputado federal Armando Abílio (PTB-PB), que o indicou para o posto, e diz que deixou o comando da Conab após pressão política. Apesar de não ter formação na área agrícola, Aguiar afirmou que, "sem subestimar qualquer agrônomo", um advogado pode presidir a companhia. Ele admitiu que sem apoio político não chegaria aonde chegou.
politicapb

Por não transferir documento do veículo mulher perde a CNH


Fátima Camanho Pereira Assistente de admistração tem habilitação para dirigir há 11 anos e diz que nunca foi multada por cometer infração. Porém, uma venda de carro em outubro do ano passado lhe rendeu 28 pontos na carteira e a obrigação de ter de frequentar as aulas do Centro de Formação de Condutores por ter tido a CNH suspensa. Isso porque ela vendeu o veículo a um primo do namorado e não se preocupou com a transferência do documento, que cabia a ele, nem comunicou o fato ao departamento de trânsito.

A assistente confiou no “quase parente” que, na época, afirmava não ter dinheiro para regularizar a documentação. No entanto, nesse período, o veículo foi multado por infrações de trânsito em valores que somaram quase R$ 600.

As autuações foram feitas no nome de Fátima, que, para o Detran, ainda era dona do carro, e entregues em um endereço antigo. Ela só descobriu o quanto devia e que estava sem autorização para dirigir quando foi regularizar a transferência, neste ano, após o fim do namoro.

"Fui ao cartório para passar a documentação para ele [novo dono do carro], mas, antes, puxei na internet os dados sobre o documento. Foi quando fiquei sabendo das multas”, conta. “Fiquei sem a habilitação e sem o namorado”, brinca Fátima, sobre sua situação atual.

Cantor Luan Santana deixar o público furioso e é vaiado


Mais uma vez, o atraso de Luan Santana fez o público reclamar e vaiar o ídolo sertanejo. Neste sábado (6), o fenômeno começou o show em Bauru, no interior de São Paulo, duas horas depois do horário marcado.

Com cerca de 20 shows por mês, é justamante o tic-tac do relógio que tem trazido dor de cabeça para o Luan. Dor de cabeça e dor de ouvido, pois as vaias estão cada vez mais presentes nos shows dos jovens.

Seis dias antes, em Recife (PE), Luan também deixou o público esperando cerca de duas horas para cantar por menos de 40 minutos.

Em respeito aos fãs, Luan Santana doará R$ 300 mil a dez instituições de Recife

Mas não é só no mundo sertanejo e com Luan Santana que as vaias acontecem. Quem diria, até mesmo os nobres salões da música clássica já receberam vaias. No Teatro Municipal do Rio de Janeiro, a plateia vaiou o maestro Roberto Minczuk porque ele tinha demitido 33 músicos da Orquestra Sinfônica Brasileira.

PRF aponta irregularidades em veículos escolares de 20 Municípios e do Estado

O Ministério Público da Paraíba recebeu, na última segunda-feira (16), um relatório da Polícia Rodoviária Federal com informações rela...