sexta-feira, 1 de julho de 2011

Bebê com duas cabeças morre em Ingá

Um fato inusitado chamou a atenção dos moradores do município de Ingá. Uma criança com duas cabeças morreu durante o parto, na segunda-feira (27). Nem a mãe do bebê, Sueli Ferreira, 27, nem a equipe médica que realizou o parto sabiam da situação das crianças já que nos exames de pré-natal e ultrassonografia não foi possível constatar o fato.

De acordo com a tia da mulher, Maria Araújo dos Santos, 57, a gestação foi tranquila e Sueli nunca havia reclamado de qualquer complicação. “Já era o terceiro filho dela e os outros dois foram partos normais. Desse, ela nunca falava nada de mais, fez os exames e nada acusou de diferente. Foi uma surpresa pra todo mundo esse menino ter nascido com duas cabeças. Eu nunca vi uma coisa dessas e estou preocupada com a minha sobrinha porque ela ainda está mal no hospital”, contou a tia.

A ginecologista e obstetra, Francimar Ramos, o caso é raro provavelmente se trata de uma má formação fetal decorrente de questões genéticas. “É preciso ver as condições como essa mulher passou a gestação. É impossível a ultrassonografia não ter detectado as duas cabeças da criança, e se isto ocorreu o exame foi muito mal feito”, explicou.

O parto da mulher tinha indicação para ser normal, foi interrompido pela equipe médica que acabou realizando uma cesariana. O bebê foi sepultado ontem e a mãe recebeu alta do Hospital da Clipsi, em Campina Grande.
matériadouiraunanet

Presidiários da PB podem estar livres a partir de 2ª feira

A partir da próxima segunda-feira (4), entrarão em vigor as mudanças na lei 12.403 do Código Penal Brasileiro, onde 98% dos delitos passarão a ser afiançáveis pelo Juiz ou pelo delegado. Com a nova lei, 2.855 apenados da Paraíba podem ser beneficiados.

De acordo com o Secretário de Administração Penitenciária do Estado, Harrysson Targino, a população carcerária paraibana hoje é formada por 8.100 apenados - destes, 35 % estão sob regime provisório, ou seja, sem condenação criminal.

A lei anterior determinava que, sempre que possível, o preso temporário deveria ficar separado do condenado. Agora a lei diz que o preso temporário não pode ficar na mesma unidade que o condenado sob nenhuma hipótese.

As mudanças visam diminuir o número de ingresso aos presídios.

De acordo com Cláudio Lameirão, presidente da Associação de Defesa das Prerrogativas dos Delegados da Polícia da Paraíba – ADEPDEL, o Brasil é o 3º país com maior número de população carcerária do mundo, com 500 mil presidiários. Perdendo apenas para os Estados Unidos (2º) e China (1º).

O Governo do Estado já autorizou a aquisição de mil tornozeleiras eletrônicas para instalar nos presos que serão liberados.

Em uma reunião realizada no começo da semana, Targino debateu com autoridades da área carcerária e do sistema judiciário as ações que serão desencadeadas para identificar os detentos que se enquadram nos benefícios da nova lei.

Resumo em 15 tópicos sobre as mudanças da lei 12.403