quinta-feira, 10 de março de 2011

Aos 7 anos: escritora descreve relação com pedófilo

Margaux relata abusos
Margaux relata abusos

Aos sete anos, a americana Margaux Fragoso conheceu Peter Curran, 51, em uma piscina pública de Nova Jersey. Ele depois convidou a menina e sua mãe para visitarem a casa dele, onde Margaux se encantou com brinquedos, livros e, sobretudo, com a companhia de Peter.

A relação de ambos durou 15 anos e é contada no polêmico livro Tiger, Tiger, que despertou a atenção da crítica literária pela crueza como Margaux, hoje com 31 anos, descreve sua relação com o pedófilo.

Peter era “um companheiro de brincadeiras, um pai, um amante e um captor”, tudo ao mesmo tempo.

- Li que os pedófilos racionalizam o que fazem ao pensar que é consensual mesmo que eles usem a coerção. Passar tempo com um pedófilo é como estar drogado. É como se eles [pedófilos] fossem crianças também, mas com um conhecimento que as crianças não têm. Eles conseguem fazer o mundo de uma criança... incrível, de alguma forma. E, quando isso acaba, é como parar de usar heroína e, por anos, elas [as crianças] não conseguem parar de perseguir o fantasma dessa sensação.

Menina tinha família desestruturada

A relação entre Margaux e Peter era facilitada pelo fato de que a menina vinha de uma família desestruturada: a mãe, com problemas mentais, é descrita como “devotada”, mas incapaz de cuidar da filha.

O pai, alcoólatra, chegou a impedir as idas de Margaux à casa de Peter, suspeitando das segundas intenções dele, mas acabou cedendo.

O primeiro contato sexual teria ocorrido quando a menina tinha oito anos. Margaux se lembra também de passeios, das brincadeiras em que eles personificavam animais – ela era o tigre – e de cartas escritas por Peter, prometendo a ela amor eterno.

Ao humanizar seu captor e explorar esse período da sua vida, a editora Douglas & McIntyre diz que Margaux “nos ajuda a ver como os pedófilos agem para roubar infâncias. E, ao escrever Tiger, Tiger, ela se curou de uma ferida que durou 15 anos”.

Peter [o nome é fictício] teria se suicidado aos 66 anos, dominado pela culpa e pelo medo de perder Margaux, que, mais velha, mudou sua percepção do relacionamento.

As vívidas descrições do mundo de Margaux e Peter despertaram críticas variadas. Para alguns, o texto se assemelha a pornografia infantil. Uma resenha diz que a parte que descreve o primeiro contato sexual de ambos “é talvez a coisa mais indecente publicada em qualquer livro importante da última década”.

Em entrevistas, a autora defende que o livro ajuda o público a identificar as “táticas” usadas pelos pedófilos.

- Eles são bonzinhos para ganhar confiança.

Uma crítica no New York Times diz que Tiger, Tiger “força o leitor a conhecer Curran tanto como o objeto do amor de uma menininha quanto um criminoso sexual que cultiva a dependência dela”.

Sobre o processo de produção do livro, Margaux – hoje casada e mãe de uma filha – disse que, como escritora, ela sabia que tinha que ver o lado real de Peter, em uma entrevista ao jornal The Globe and Mail.

- Era difícil aceitar isso, porque a criança dentro de mim queria acreditar em outra coisa, mas a minha parte adulta diz: ‘Não, sinto muito. Ele não é uma boa pessoa. É um monstro’.

Homem morre eletrocutado no Conde

Morreu hoje pela manhã(10 de março), Gilvando Barbosa de Lima(Vando) irmão de Beto Bocão, em uma rede elétrica na cidade de Conde, o mesmo segundo informações o homem de aproximadamente 48 anos era eletricista e estava trocando uma lâmpada a pedido de alguns moradores.

No momento do choque o Vando estava com o cinto de segurança amarrado na cintura isso fez com que ele não fosse jogado, mais não estava com as luvas de proteção. Ao tocar no fio sofreu uma descarga que o levou a morte.

A sua mãe dona Naltide até o exato momento não sabia do fato acontecido, familiares ligou para o nosso studio pedindo para que não divulgasse mais, para evitar que a senhora que tem problemas de saúde e já é bem idosa não fosse surpreendida. Divulgamos apenas duas vezes e a cidade inteira já sabe.

A familia espera apenas a liberação do corpo. Vando deixou esposa e filhos, o mesmo já foi coveiro da cidade, mas no momento ele trabalhava apenas fazendo bicos como informou famíliares.

A RADIO A CABO DA CIDADE DE CONDE FAZ 10 ANOS E LEVA PRA PRAÇA CENTRAL UM SUPER SHOW

Resumo dos acidentes e mortes nas estradas da Paraíba informações da PRF


A Polícia Rodoviária Federal – PRF encerrou a meia noite da quarta-feira (9), a Operação Carnaval 2011, que teve a duração de 144 horas (seis dias) e, nas estradas federais da Paraíba, foram registrados 87 acidentes com 46 pessoas feridas e quatro mortas.

O último acidente com morte, aconteceu na manhã de quarta-feira (9) nas proximidades da entrada de Galante no município de Campina Grande, um caminhão Ford F400, dirigido por José do Egito Narciso, que fugiu do local sem prestar socorro as vítimas, cruzou o canteiro central após perder o controle numa curva e atingiu de frente um Ford Focus conduzido por André Luís Sousa de Vasconcelos, 31 anos, que morreu no km 135,6 da BR-230, local do acidente, outras duas pessoas que vinha no carro, Ana Carla Bastos Batista, 35 anos, e seu filho, Paulo André Mesquita Cavalcante Filho, de 12 anos, sofreram ferimentos graves e foram socorridos pelos resgates do SAMU e PRF .

Os primeiros acidentes com morte, na madrugada do domingo (6) no km 25 da BR-230, em João Pessoa, um motociclista após envolver-se em uma colisão entre três automóveis, na sequência, foi atropelado por outro veículo quando já estava caído no chão.

Na noite de segunda-feira (7), no km 477 da rodovia BR-230, próximo ao contorno de São Gonçalo no município de Sousa, Manoel Messias Alves Sarmento, que teria completado 44 anos no dia anterior. Ele morreu após ter sido atropelado por um Fiat Uno.

No início da noite de terça-feira (8), aconteceu o penúltimo acidente, que foi no km 41,8 da rodovia BR-230, próximo ao Planalto de Santa Rita, onde Patrícia Batista, 23 anos, morreu após o veículo que ela vinha como passageira, um GM Monza, saiu da pista e capotou em seguida.

Durante toda Operação Carnaval, a Polícia Rodoviária Federal fiscalizou 1.808 veículos, lavrou 654 autos de infração de trânsito, 48 veículos foram retidos para regularização e 238 testes de alcoolemia foram realizados constatando que 16 pessoas dirigiam sob efeito de bebida alcoólica. Todos foram encaminhados para Delegacia de Polícia de acordo com a jurisdição aonde aconteceu o flagrante. Ainda, 5.464 veículos foram captados pelos aparelhos de radar transitando com a velocidade acima da máxima permitida para o local. Também, 23 pessoas foram detidas e conduzidas para Delegacia de Polícia. Sendo duas por motivo de possuir mandado de prisão em aberto, outras duas por conduzir veículo com placa fria e chassi alterado, um porte ilegal de arma de fogo, outro por direção perigosa sem habilitação, um adolescente que estava conduzindo uma motocicleta e os 16 que estavam dirigindo sob efeito de bebida alcoólica.