terça-feira, 9 de novembro de 2010

Algumas charges sobre a inevitável gula do PMDB...

Justiça de MG deve ouvir primo e motorista de Bruno


A audiência do caso Eliza Samudio deve ser retomada na manhã desta terça-feira (9) em Contagem, na região metropolitana de Belo Horizonte. A previsão é de que ao menos três réus sejam ouvidos pela juíza Marixa Fabiane Lopes, do Tribunal de Júri. Eles são: Sérgio Rosa Sales, primo de Bruno Fernandes; Wemerson Souza, o Coxinha, que prestava serviços ao goleiro; e Flávio Caetano Araújo, motorista do ex-amante de Eliza.

Apontado como mandante do crime, Bruno deve ser ouvido até quarta-feira (10). O mesmo acontece com Luiz Henrique Romão, o Macarrão, a ex-amante Fernanda Gomes de Castro e Marcos Aparecido dos Santos, o Bola.

Na segunda-feira (8), o caseiro do sítio do goleiro, Elenilson Vítor da Silva, um dos acusados de envolvimento na morte de Eliza Samudio, se contradisse em depoimento à juíza. À polícia, Elenilson afirmou ter visto Eliza chegar ao sítio. Nesta segunda, entretanto, ele negou a informação, dizendo que não a viu porque estava jogando futebol.

O acusado também afirmou que Fernanda Gomes de Castro, ex-amante de Bruno, chegou com o goleiro ao sítio entre os dias 6 e 7 de junho, quando Eliza e o bebê também estavam lá.

Ainda nesta segunda, uma carta escrita pela ex-mulher de Bruno, Dayanne Souza, foi entregue à juíza durante o depoimento. De acordo com o documento, o filho de Eliza só não foi morto porque estava sob os cuidados dela. Na carta, Dayanne também revela que o ex-goleiro tinha antipatia pelo bebê, apontado como seu filho com a ex-amante, sumida desde junho passado.

Cássio se diz a favor da nomeação de Maranhão: "Podemos construir um futuro de paz"


O senador eleito Cássio Cunha Lima (PSDB) disse, durante entrevista ao programa Conexão Master na noite desta segunda-feira (8), que pode até apoiar a indicação de José Maranhão (PMDB) para algum Ministério no Governo Dilma Rousseff. Segundo o tucano, o governador poderá dar exemplo de que torce pelo futuro da Paraíba se realizar uma transição passífica e que funcione entre seu governo e o de Ricardo Coutinho (PSB).

“Se for para Maranhão assumir um Ministério e assim contribuir com o desenvolvimento da Paraíba eu serei o primeiro a assinar a lista de apoio. Podemos construir um bom caminho de paz e de crescimento para o nosso Estado”, disse Cássio.

O senador também falou sobre o processo sucessório de Campina Grande em 2012 quando perguntado se o seu filho Diogo Cunha Lima poderá ser candidato. Segundo ele, ainda é cedo para tratar o assunto, mas afirmou que não vai interferir na decisão do filho. “Não vou desestimá-lo, mas também não vou estimulá-lo a ser candidato. Ainda é cedo e isso depende também de vários fatores como composições de forças políticas e de, principalmente, a vontade do povo”, finalizou.

Cícero Lucena é o senador da PB que mais gastou com verba indenizatória no ‘recesso branco’


De agosto a outubro, quando votações e debates no Congresso Nacional são próximos de zero, os senadores não dispensaram a cota para o exercício da atividade parlamentar, mais conhecida como verba indenizatória. E, o senador Cícero Lucena (PSDB), foi o paraibano que mais gastou nesse período (R$ 34.440,87 mil). Entre os 95 senadores da República, Cícero foi o 17º que mais usou os recursos indenizatórios.

Durante o chamado “recesso branco” – que se encerraram, de fato, nessa segunda-feira (08), 67 senadores desembolsaram cerca R$ 1,5 milhão com consultorias, alimentação, locomoção, hospedagem, e combustível.

Durante este período, 33 senadores que se ausentaram para fazer campanha em seus estados apresentaram R$ 673 mil em notas fiscais pedindo ressarcimento por gastos supostamente relacionados à atividade legislativa.

Roberto Cavalcanti ((PRB) gastou R$ 12.835,77 mil e ficou na 48ª colocação entre os senadores que mais gastaram com a verba indenizatório entre agosto e setembro.

Já os dados sobre os gastos de Efraim Morais (DEM) não foram divulgados.