sexta-feira, 1 de outubro de 2010

Executiva Nacional do PCB suspende filiação e candidatura de Chico Oliveira ao Governo da PB


Após o escândalo do áudio em que o candidato ao Governo da Paraíba pelo PCB, Chico Oliveira, disse que o partido recebeu a quantia de R$ 400 mil para continuar ação contra o ex-governador Cássio Cunha Lima (PSDB), o secretário-geral da Direção Nacional do PCB e candidato à Presidência da República, Ivan Pinheiro, anunciou no final da tarde de hoje (30), durante entrevista coletiva em João Pessoa, a desfiliação partidária, e automaticamente, a suspensão da candidatura de Chico Oliveira ao Governo do Estado.

A decisão da Executiva Nacional, aprovada pela Comissão Política Nacional (CPN) do partido, segundo Ivan, se deu em função do mau comportamento de Chico Oliveira nos últimos dias, que fez com que o partido fosse rotulado como ‘laranja’ do candidato à reeleição ao Governo do Estado pela coligação ‘Paraíba Unida’, José Maranhão (PMDB).

DA REDAÇÃO WAGNER ASSUNÇÃO

Cássio assegura candidatura até o fim e denuncia tentativa de desestabilizar postulação ao Senado


EXCLUSIVO - “Considero uma deslealdade o que estão fazendo com minha candidatura ao Senado”, afirmou o candidato Cássio Cunha Lima em contato com a reportagem denunciando ‘onda’ atribuída aos seus adversários de tentar desestabilizar a sua postulação tratando – a como “postura atrasada e antidemocrática”.

Cássio disse que será candidato até o último momento da eleição para representar o Estado da Paraíba com a experiência acumulada ao longo dos tempos. “Sou candidato e não existe outra alternativa”. Segundo ele, “o fujão dessa eleição não sou eu”.

O candidato informou que não existe a possibilidade de substituição de sua candidatura, como se especula para hoje ou amanhã, porque sua decisão está tomada. “Sou e não cederei a candidatura ao Senado”

Marcos Odilon critica Ricardo Coutinho por 'agonizar feirantes' do Mercado Central Odilon comparou o socialista ao déspota Ricardo Coração de Leão


Ao lado do governador licenciado José Maranhão, durante comício realizado pela Coligação ‘Paraíba Unida’ em Santa Rita, o prefeito Marcos Odilon criticou a atuação de Ricardo Coutinho (PSB), quando esteve à frente da prefeitura de João Pessoa. Odilon comparou o socialista ao déspota Ricardo Coração de Leão.

“O outro candidato me lembra Ricardo Coração de Leão, um homem perigosíssimo que na Inglaterra atormentou o seu povo por muitos e muitos anos. Ricardo Coração de Leão parece até com outro Ricardo (Coutinho), que veio até perto de nós e agonizou os feirantes do Mercado Central. Quem não acredita em mim, e não quer acreditar na história, vá até ao Mercado Central e pergunte aos feirantes se é verdade ou não o que digo aqui”, declarou o prefeito de Santa Rita.

Marcos Odilon, durante discurso no comício na noite desta quarta-feira (29), fez questão de ressaltar a parceira entre os governos Federal e Estadual viabilizadas por Zé Maranhão.

Com candidatos na defesa, debate sonolento encerra a campanha


Muitas promessas, poucas propostas e quase nenhum enfrentamento

Muitas promessas, poucas propostas e quase nenhum enfrentamento. O último debate presidencial, realizado na noite de quinta-feira (30), foi marcado pelo tom ameno, quase sonolento, da discussão de temas difíceis de digerir em respostas de dois minutos, como previdência, funcionalismo e habitação.

Último evento da campanha eleitoral antes da eleição em 3 de outubro, o debate na TV Globo era considerado decisivo pelos candidatos e seus marqueteiros. Mas, preocupados em não aparentar agressividade, Dilma Rousseff (PT), José Serra (PSDB) e Marina Silva (PV) optaram por evitar o confronto em quase todas as oportunidades.

Em segundo lugar nas pesquisas, Serra teve a chance de fazer uma pergunta a Dilma, primeira colocada, mas preferiu questionar Marina. Já a petista optou, por duas vezes, em questionar Plínio de Arruda Sampaio (PSOL), que tem menos de 1% das intenções de voto, segundo as pesquisas. Em nenhum momento Dilma e Serra dirigiram-se um ao outro.