sábado, 17 de julho de 2010

Acidente da TAM completa três anos sem punição aos culpados



Três anos após a queda do voo 3054 da TAM em Congonhas, os inquéritos da Polícia Federal, Polícia Civil de São Paulo e do relatório do Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes da Aeronáutica (Cenipa) sobre a tragédia que matou 199 pessoas somam 140 volumes e ocupam uma sala inteira no Ministério Público Federal em São Paulo.

O procurador Rodrigo de Grandis, responsável pelo caso, pode concluir uma denúncia, solicitar novas diligências ou arquivar o inquérito. Entretanto, não há prazo para a decisão.

Até o dia 13 de julho, 192 das 199 famílias de vítimas haviam sido indenizadas. Segundo a companhia aérea, os últimos sete processos de indenização podem ter parado por discordância entre a aérea e a família quanto ao valor da indenização ou a escolha de um tribunal fora do País para a causa.

O número de acordos indenizatórios da TAM estacionou em 192 em outubro de 2009. Houve famílias que optaram por não entrar na Justiça. Nem a TAM nem a associação de familiares das vítimas comenta o impasse ou revela os valores envolvidos nas causas. O prazo para que as famílias pleiteiem uma indenização termina neste dia 17 de julho.

A Associação dos Familiares e Amigos das Vítimas do Voo TAM JJ-3054 (Afavitam) não comenta o andamento dos processos de indenização. "Cada um dos familiares teve sua decisão. A Afavitam orientou neste aspecto, mas o nosso propósito sempre foi o de responsabilizar criminalmente os responsáveis pela morte de nossos entes queridos", disse Dario Scott, presidente da associação.

Além das indenizações, a TAM vem pagando desde a data do acidente despesas com tratamento médico e psicológico, passagens aéreas e traslados para todos que comprovarem parentesco (pais, cônjuges ou irmãos de vítimas da tragédia). Segundo a companhia aérea, foram 52.564 horas de terapia (o que representa cerca de seis anos), 7.486 passagens aéreas e R$ 17,6 milhões em despesas que abrangem de hospedagem a gastos com lavanderia durante as viagens.

DA REDAÇÃO A JORNALISTA ANA MARIA GOMES.

O ELEITOR QUE NÃO APRESENTAR O TITULO ELEITORAL JUNTAMENTE COM UM DOCUMENTO DE IDENTIFICAÇÃO FOTO FICARÁ IMPOSSIBILITADO DE VOTAR.


O JUIZ ELEITORAL DA 73ª ZONA ELEITORAL ENVIOU PARA O NOSSO SISTEMA DE RÁDIO ACABO A SEGUINTE NOTA:
NOS TERMOS DA LEI DE Nº 9.504 DO ARTIGO 91-A, DE 30 DE SETEMBRO DE 1997 , INCLUÍDO PELA LEI DE Nº 12.034, DE 29 DE SETEMBRO DE 2009.
OS ELEITORES DO MUNICIPIO DE CONDE, QUE NO MOMENTO DE SUA VOTAÇÃO DE 1º E EVENTUAL 2º TURNOS SERÃO EXIGIDOS DO ELEITOR, ALÉM DO TÍTULO ELEITORAL, UM DOCUMENTO DE IDENTIFICAÇÃO COM FOTO. SERÃO ACEITOS A CARTEIRA DE IDENTIDADE OU DOCUMENTO DE VALOR LEGAL EQUIVALENTE(IDENTIDADE FUNCIONAL), CARTEIRA DE TRABALHO OU DE HABILITAÇÃO COM FOTO E CERTIFICADO DE RESERVISTA. jÁ AS CERTIDÕES DE NASCIMENTO OU CASAMENTO, NÃO SERÃO ADMITIDAS COMO PROVA DE IDENTIDADE.
O ELEITOR QUE NÃO APRESENTAR O TÍTULO ELEITORAL JUNTAMENTE COM UM DOCUMENTO DE IDENTIFICAÇÃO COM FOTO FICARÁ IMPOSSIBLITADO DE VOTAR.
DA REDAÇÃO A JORNALISTA ANA MARIA GOMES.

Polícia apreende 18 quilos de drogas enterradas dentro de tonel

    Políciais militares da Força Tática do 7º Batalhão aprenderam, neste domingo (22), aproximadamente 18 kg de uma substância se...