sexta-feira, 4 de junho de 2010

Família pede que CRM investigue morte de jovem em hospital na Paraíba




O laudo cadavérico emitido pela perícia médico-legal da Gerência de Medicina e Odontologia Legal (Gemol), em João Pessoa, apontou que a estudante de Direito Fernanda Luiza Franca Maciel, de 21 anos, sofreu traumatismo torácico-abdominal com lesões pulmonares e hemorragia interna. A jovem morreu na madrugada desta quinta-feira (3) em uma ambulância do Samu a caminho do Hospital de Emergência e Trauma, em João Pessoa, cinco dias depois de ter recebido alta da unidade hospitalar estadual.

A família da estudante de Direito anunciou que irá apresentar à Justiça ações contra o Trauma, o Hospital Samaritano e o Samu, por acreditar que houve negligência no atendimento a Fernanda desde que ela sofreu um acidente automobilístico no último sábado (29). A jovem passou pelos dois hospitais, mas as fraturas nas costelas não teriam sido detectadas em nenhum deles.

Os parentes de Fernanda Luiza também informaram que vão pedir ao Conselho Regional de Medicina (CRM) que investigue o caso. Por meio de sua assessoria de imprensa, a direção do Hospital de Emergência e Trauma se comprometeu a instaurar um procedimento investigativo junto à sua Comissão de Ética para apurar se houve negligência ou erro médico. Serão analisados os prontuários do atendimento prestado a Fernanda quando ela foi socorrida logo após o acidente de carro.

A jovem sofreu um acidente de carro no Retão de Manaíra no último sábado (29). De acordo com os familiares, ela estava no banco de passageiros, mas o seu lado no carro foi o mais prejudicado no acidente. Fernanda ficou presa nas ferragens e foi levada para o Trauma, mas recebeu alta da equipe médica na mesma noite.

No domingo, a estudante teria sentido fortes dores no peito e nas costas. Ela foi levada pelos pais ao Hospital Samaritano, onde, novamente, nada de anormal foi detectado. As fraturas nas seis costelas só foram detectadas depois que os familiares buscaram uma terceira opinião, desta vez no Pronto Socorro de Fraturas, na Torre, onde Fernanda foi submetida a um exame de raio-X.

O estado de saúde dela se agravou e, como o estabelecimento não tinha médico especialista no assunto para acompanhar o caso, foi providenciada a transferência da estudante de volta para o Trauma. A jovem teria morrido ainda na ambulância, no traslado para o hospital estadual.

Da redação a jornalista Ana Maria Gomes.

No final da copa, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva voltará a trabalhar no Palácio do Planalto


Assim que retornar de viagem ao Continente Africano, onde visitará cinco países e acompanhará a final da Copa do Mundo de Futebol, na África do Sul, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva voltará a trabalhar no Palácio do Planalto, que está em reforma desde o ano passado. O prédio foi entregue no último dia 31 de maio. As obras no Planalto começaram em março de 2009 e, desde então, o gabinete do presidente foi transferido para o prédio do Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB). A reforma abrangeu a restauração, a substituição das redes hidráulica, elétrica e de ar-condicionado e a ampliação dos elevadores. No subsolo, foi construída uma garagem para 500 carros. O custo total da reforma foi de R$ 103 milhões. A previsão era de que o Palácio do Planalto fosse entregue no dia 21 de abril como parte das comemorações do aniversário de 50 anos de Brasília. A crise institucional enfrentada pela capital, que teve seu governador José Roberto Arruda cassado, além de atrasos na reforma, fizeram com que a conclusão fosse adiada. O projeto de restauração ficou a cargo do escritório do arquiteto Oscar Niemeyer, que também projetou o Palácio do Planalto, inaugurado no mesmo dia da cidade de Brasília, em 21 de abril de 1960. DA REDAÇÃO A JORNALISTA ANA MARIA GOMES.

Ator de Chaves processa intérprete de Chiquinha


Maria Antonieta de las Nieves, a atriz que ficou famosa ao interpretar a Chiquinha no seriado Chaves foi processada pelo criador e protagonista Roberto Gómez Bolaños, pelos direitos de seu personagem.

"Eu continuarei lutando pelos meus direitos. Preciso trabalhar para pagar os advogados no processo", disse a atriz em entrevista à revista TV y Novelas.Essa é a segunda fez que Bolaños processa a interpréte de Chiquinha. Em 1995, ele a processou pelo mesmo motivo.

A atriz diz que Gómez Bolaños se diz o criador da personagem, mas as suas contribuições artísticas foram tantas, que agora a Chiquinha lhe pertence e, por isso, a registrou em seu nome, num momento em que ele se esqueceu de renovar o registro junto aos órgãos correspondentes no México.

Depois do sucesso de seu programa Chaves, Roberto Gómez Bolaños teve problemas com boa parte do elenco, já que se negou a dar permissão para que os atores explorassem comercialmente seus personagens. O ator Carlos Villagrán, que interpretou o Quico, também teve dificuldades para trabalhar com o personagem, e mudou a grafia. Atualmente ele se apresenta como Kiko.DA REDAÇÃO A JORNALISTA ANA MARIA GOMES.

Carro derruba poste na av. Epitácio Pessoa e deixa trânsito lento em João Pessoa

  Um carro derrubou um poste na avenida Epitácio Pessoa com o cruzamento da rua Prefeito José Leite, nas imediações do bairro Bri...